Campanha Eu Me Importo terá novo foco em 2019

Desde 2016, a associação União Nacional de Agentes de Lideranças Comunitárias e Sociais - Unalcs, realiza campanhas solidárias objetivando fortalecer o trabalho das instituições que prestam atendimento especializado a população em situação de rua. A iniciativa que ficou conhecida como "Campanha Solidária Eu Me Importo" ocorre geralmente nos meses de maio a junho de cada ano, e com apoio de seus associados, voluntários e parceiros, toda a cidade e região é convidada a participar, doando materiais como roupas, cobertores, calçados e diversos outros itens.

Porém, buscando apoiar entidades que prestam apoio a outros segmentos da sociedade, a Unalcs planeja mudar o foco da campanha em 2019. A proposta agora é desenvolver ações voltadas a ajudar as pessoas assistidas pela Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Juiz de Fora.

Na última, quinta-feira, o presidente e a Coordenadora do Núcleo de Apoio e Orientação Social (NAOS) da Unalcs, Jonathan Gilgamesh e Leila Pereira, estiveram na sede da APAE, localizada no bairro Santa Terezinha e participaram de uma reunião com um grupo de coordenadores da instituição, visando discutir como sobre os principais pontos da campanha, que deve ocorrer entre os meses de março e abril deste ano.

 

Sobre a APAE

A Apae - Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais nasceu em 1954, no Rio de Janeiro. Caracteriza-se por ser uma organização social, cujo objetivo principal é promover a atenção integral à pessoa com deficiência, prioritariamente aquela com deficiência intelectual e múltipla. A Rede Apae destaca-se por seu pioneirismo e capilaridade, estando presente, atualmente, em mais de 2 mil municípios em todo o território nacional.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Qualibest em 2006, a pedido da Federação Nacional das Apaes, mostrou que a Apae é conhecida por 87% dos entrevistados e tida como confiável por 93% deles. São resultados expressivos e que refletem o trabalho e as conquistas do Movimento Apaeano na luta pelos direitos das pessoas com deficiência. Nesse esforço destacam-se a incorporação do Teste do Pezinho na rede pública de saúde; a prática de esportes e a inserção das linguagens artísticas como instrumentos pedagógicos na formação das pessoas com deficiência, assim como a estimulação precoce como fundamental para o seu desenvolvimento.

De acordo com o Censo IBGE 2010, o Brasil tem 45.606.048  de pessoas com deficiência, o que equivale a 23,9% da população do País. 18,60% foram declaradas pessoas com deficiência visual, 7% com deficiência motora, 5,10% com deficiência auditiva e 1,40% com deficiência mental.

 

Fonte:Unalcs.org

 

 

Comentários